Muitas mulheres não dispensam o uso dos sapatos altos, que as tornam mais elegantes, mais altas e melhoram a sua autoestima. Contudo não há bela sem senão, o uso excessivo de saltos muitos altos pode provocar inúmeros danos estruturais, vasculares e alteração biomecânica das estruturas de suporte do corpo, principalmente na região lombar e nos membros inferiores (pernas e pés).

 

 

DISTRIBUIÇÃO DO PESO NOS PÉS CONFORME ALTURA DO SALTO

  

Vários estudos científicos, revelam que o uso excessivo de saltos altos alteram a postura, destabilizam as estruturas articulares e hipertrofia dos músculos da região posterior da perna.


Dores frequentes nos pés, principalmente próximo dos dedos e dos tornozelos, calosidades e vermelhão são os primeiros sinais de alerta. Muitas mulheres, porém, acostumam-se com o uso constante de sapatos de salto alto e não sentem esses sinais. Aliás, nesses casos o desconforto aparece na hora de usar um sapato de sola plana, como um ténis.

MANIFESTAÇÕES MAIS FREQUENTES

Encurtamento de músculos, ligamentos e tendões – (tendinites e tenossinovites), sobretudo na região posterior das pernas, dores musculares, transtornos articulares nos joelhos e na coluna vertebral, alteração do retorno venoso, podendo provocar edema nas pernas, dores musculares, deformidades articulares, inflamações, fascite plantar, fraqueza muscular, rutura de ligamentos e esporões do calcâneo, bolhas, calos, dedos em martelo, joanetes (hallux valgus), neuroma de Morton e muitas outras. Alem disso, usar saltos altos aumenta as probalidades de sofrer quedas, torções e por vezes fraturas.

  

​RECOMENDAÇÕES

O uso excessivo do salto alto promove o aparecimento de diversas doenças nos pés, na coluna lombar, que é o eixo de sustentação do corpo e do encurtamento da musculatura da face posterior das pernas.
Os saltos não proporcionam estabilidade para o pé e deixam as mulheres com o centro de gravidade muito para frente.
 

O uso dos sapatos de salto alto exige uma elevação do calcanhar que por sua vez promove a inclinação do pé para a frente e para baixo enquanto dobra os dedos dos pés para cima. Quanto maior for a pressão exercida nos pés maior será o encurtamento do tendão de Aquiles. O  pé ao inclinar para a frente, transfere todo o peso para a planta dos pés (dedos), contraindo os músculos da região posterior da perna, exercendo uma pressão exagerada sobre os joelhos e  sobre a parte inferior das costas pressionando as vértebras lombares e contraindo os músculos da região lombar, aumentando as possibilidades de se desenvolver quadros de lordose lombar.

1. Alongue alguns minutos por dia os músculos da face posterior das pernas – os isquiotibiais. Promove o aumento da flexibilidade muscular, reduz  as tensões musculares e prevê o aparecimento de cambras e de edemas;


2. Em pé, apoie a ponta dos pé junto de um degrau e deixe  os calcanhares penderem para trás, ficando com a coluna ereta; (Fig.1)


3. Em pé, curve o corpo para frente em direção ao chão, tentando tocar as mãos no solo, não forçando a coluna e não fletindo os joelhos. O importante é sentir o alongamento nas pernas e na coluna; (Fig. 2)


4. Massageia os pés, calcanhares e os músculos da região posterior das pernas, pois estimula a circulação sanguínea e promove a oxigenação dos tecidos.


5. Em casa deite-se no chão de barriga para cima, apoie um dos pés no chão e com a ajuda de uma toalha enrolada ou de um cinto, envolve o outro pé puxando-o na sua direção com a base do calcanhar voltada para o teto. (Fig.3)


6. Alterne os dias de utilização dos saltos altos e baixos. Varie a altura e formato dos saltos.


7. Em casa, nos fins de semana, use os sapatos baixos;


8. Pratique atividades físicas frequentemente.

O uso correto dos sapatos promove a sua saúde e qualidade de vida !

Saltos Altos provocam danos irreparáveis

1/9