Rastreio Osteomuscular nas Empresas

As lesões músculo-esqueléticas (LME) provocadas pelo trabalho, bem como a sua prevenção, quando possível, são extremamente importantes, justificando assim a realização do rastreio osteomuscular de proximidade junto das empresas, com um objetivo que não se limite apenas na identificação da presença de algumas lesões do sistema músculo-esquelético ou fatores predisponentes, proporcionando um aconselhamento e encaminhamento à aplicação de um plano de tratamentos, bem como contribuir para a diminuição da morbilidade que se registe anualmente nas empresas no que concerne ao absentismo laboral.

 

Um estudo, realizado no âmbito da campanha ‘Olhe pelas Suas Costas’, promovido pela Sociedade Portuguesa de Patologia da Coluna Vertebral indica que 28,4 por cento dos portugueses sentem que a sua atividade profissional já foi prejudicada ou comprometida de alguma forma pelo facto de terem dores nas costas. Anualmente cerca de meio milhão de portugueses faltam ao trabalho devido às dores de costas e cerca de 28 % por cento tem a necessidade de faltarem entre dois a cinco dias, e 24 % mais de dez dias.

RASTREIO OSTEOMUSCULAR

O Rastreio osteoarticular contempla a realização de avaliação clínica com recurso a um conjunto de testes ortopédicos e osteopático, permitindo uma avaliação e identificação da presença de disfunções somáticas de natureza osteomusculares, ou fatores potenciadores, proporcionando um aconselhamento e encaminhamento à aplicação de um plano de tratamentos ajustados a cada colaborador.

 

A validação do rastreio osteoarticular consiste na possibilidade de um tratamento efetivo precoce das lesões músculo-esqueléticas. Por outro lado, aumenta substancialmente as probalidades de cura ou de uma prolongada erradicação dos sintomas.

 

Trata-se de uma iniciativa relevante na prevenção de surgimento de lesões futuras e no diagnóstico das causas das dores atualmente sentidas.

1/9