Síndrome do Piriforme

Pode acreditar que o nome é tão estranho quanto à dor que esta síndrome proporciona. A Síndrome do Piriforme é um distúrbio neuromuscular causado por uma irritação/ compressão do nervo ciático provocada pelo aumento da tensão ou espasmo do músculo piriforme.

 

O piriforme é um músculo pequeno e profundo, localizado na nádega, sob os glúteos e tem como função a rotação externa da coxa, além de auxiliar na abdução da coxa. A sua localização vai do sacro (porção final da coluna) até ao fémur (osso da coxa). O nervo ciático passa debaixo deste músculo. Se o músculo, por algum motivo, sofrer uma tensão, espasmo, trauma, pode resultar numa compressão/ irritação do nervo ciático, causando dor localizada nas nádegas e dor referida na região lombar e coxa. A Síndrome do piriforme é um transtorno extremamente comum, e é muito mais provável de ser encontrado em mulheres do que os homens (cerca de 12-15 vezes mais).

 

SINTOMATOLOGIA CLÍNICA

Geralmente começa com dor, dormência e formigueiro nas nádegas, virilha e quadril, e também pode causar a dispareunia (coito doloroso) e dor no reto durante a defação. A dor pode manifestar-se de forma aguda e estender-se ao longo do trajeto do nervo ciático (chamado ciática ). Estes sintomas de disfunção do músculo piriforme podem ser causados por outras entidades clínicas, que incluem disfunção do médio glúteo, hérnia ou protusão discal, "ciática", fraturas por stress pélvica e outros problemas do foro músculo-esqueléticos nesta região. Síndrome do piriforme é mais comumente pior em repouso (sentado ou deitado) e é muitas vezes (mas nem sempre) aliviado temporariamente por atividade física moderada (principalmente a pé ou de alongamento). Fraqueza, rigidez e uma restrição geral do movimento também são bastante comuns em pessoas que sofrem de síndrome do piriforme.

 

CAUSAS

A causa mais comum é a tensão e o encurtamento do músculo piriforme. A dor é devida à compressão que o piriforme exerce sobre o nervo ciático. A dor também pode ser desencadeada ao subir escadas, no exercício de determinadas atividades desportivas, tais como: corridas, caminhadas, remo e ciclismo, estar sentado por períodos demasiados longos. A maioria dos casos de dor ciática, no entanto, não são devidas a síndrome do piriforme.

 

DIAGNÓSTICO

Não existe um teste definitivo para a síndrome do piriforme. Em muitos casos, há uma história de trauma para a área, repetitivo, atividade vigorosa, como corrida de longa distância, ou prolongada sessão. Diagnóstico do síndrome do piriforme é feita por um relatório dos sintomas do paciente e por exame físico utilizando uma variedade de movimentos para induzir dor no músculo piriforme. Em alguns casos, o músculo piriforme contratado ou do concurso podem ser encontrados no exame físico. Como os sintomas podem ser semelhantes em outras condições, os testes radiológicos como ressonância magnética podem ser necessários para descartar outras causas de compressão do nervo ciático, como uma hérnia de disco.

 

TRATAMENTO

     Medicamentoso

Depois de confirmado o diagnóstico, podem ser prescritos medicamentos tais como os anti-inflamatórios (ibuprofeno ou naproxeno) para auxiliar no alívio da dor e os relaxantes musculares.

 

     Osteopático

A abordagem osteopática para o diagnóstico desta síndrome inclui uma avaliação completa da coluna, da pelve e dos músculos associados. Um exame funcional, ortopédico e neurológico também é realizado. O tratamento osteopático visa corrigir as disfunções somáticas, restaurando a função das articulações sacro-ilíacas e da coluna vertebral, que é muitas vezes a causa. Caso as suas queixas se relacionam com estes sintomas, não se desespere! Procure um médico ou seu osteopata para que o diagnóstico seja estabelecido, descartando a possibilidade de outras patologias que tem sintomas parecidos com a Síndrome do Piriforme.

 

1/9