​Osteopatia pode ser eficaz no alívio das dores de cabeça/ enxaquecas.

 

Talvez não haja no mundo quem nunca tenha tido uma dor de cabeça. Mas existem pessoas, e não são poucas que sofrem de dores crónicas e, por falta de informação ou uso de automedicação, não encontram uma solução para o seu problema. O que pouca gente sabe é que a origem dessa dor pode estar associada a alterações da coluna, má postura por tempo prolongado, esforços repetitivos, às sobrecargas no trabalho diário e às tensões físicas e emocionais, e a mesma beneficia duma abordagem de consulta de osteopatia. 

 

Dores de cabeça (cefaleias) de origem cervical, também conhecidas como dores de cabeça cervicogénica ou tensionais são responsáveis por 15 a 20% de todas as dores de cabeça e consiste numa disfunção dos primeiros segmentos vertebrais da coluna cervical associada a tensão dos músculos da base da nuca e dos ombros. Apesar de ser mais comum em mulheres, é um síndrome que afeta ambos os sexos.

  

COMO É QUE UMA DISFUNÇÃO NA CERVICAL PROVOCA DORES DE CABEÇA ?

Quando temos um desalinhamento articular (denominado em osteopatia de “SUBLUXAÇÃO VERTEBRAL” na região do pescoço, os nervos que saem das vértebras mais altas dessa região sofrem interferências no seu funcionamento, bem como a artéria vertebral que transporta o sangue para o cérebro sofre uma alteração no fluxo sanguíneo para a cabeça. Este desalinhamento ou alteração do movimento vertebral cervical causa uma irritação dos nervos o que pode provocar espasmos musculares na região cervical, piorando o quadro doloroso.

 

Essas interferências quer nos estímulos nervosos (informação propriocetiva) quer no fluxo sanguíneo desencadeiam sinais de que algo não está a funcionar bem. Assim, surgem as dores de cabeça. Este efeito é como pisar sobre uma mangueira, a água é bloqueada no ponto que está sendo comprimido e o efeito percebido ao longo do seu curso, prioritariamente na parte da saída e não na parte onde está sendo pisada.

SINTOMATOLOGIA

A sintomatologia clássica duma dor de cabeça cervicogénica inicia-se na nuca com irradiação para o topo da cabeça e para os lados e desce para os olhos. Este tipo de dor imita outras formas de dores de cabeça, mas a cefaleia cervicogénica apresenta outros sinais, como:

  • Agudiza-se com os movimentos da cabeça, do pescoço e potencializa-se com alteração postural.

  • Geralmente começa na base da cabeça, onde o crânio se encontra com pescoço e de seguida irradia para cima e ao redor da cabeça.

  • Dor intermitente, unilateral e de intensidade moderada.

  • Acentuada sensibilidade na região suboccipital.

  • Duração variável (horas) ou dor contínua flutuante.

    

FATORES DESENCADEANTES

  • Disfunção das primeiras vertebras cervicais.

  • Desalinhamento da cintura escapular (ombros).

  • Perda de tónus muscular (sobretudo da região posterior).

  • Má postura da cabeça e pescoço.

  • Dismetria dos membros inferiores.

  • Stress que pode conduzir ao surgimento de contraturas musculares e à respetiva alteração funcional.

  • Alimentação, períodos harmonias e alterações viscerais.

 

TRATAMENTO OSTEOPÁTICO

Através de uma avaliação, com recurso a testes ortopédicos e neurológicos, exame físico, entre outras provas osteopáticas, o osteopata consegue identificar as vertebras que se encontram em restrição. Através de técnicas osteopáticas específicas, denominadas de manipulação articular, o osteopata alivia a tensão, estruturas peri-articulares da região do pescoço, devolvendo a mobilidade dos músculos e articulações e proporcionando o alívio dos sintomas da dor de cabeça.

 

Pesquisas recentes no cuidado e tratamento de dores de cabeça cervicogénica e a dor crónica associada a elas revelam que a abordagem osteopática apresenta excelentes resultados no alívio das dores.

    

 

 

 

Para os que habitualmente sofrem de dores de cabeça e que ainda não tentaram a osteopatia como forma de tratamento da cefaleia cervicogénica, vale a pena tentar, pois serão agradavelmente surpreendidos com os resultados.

  
1/9