Osteopatia cada vez mais uma aliada à saúde dos idosos.

A Osteopatia tem sido cada vez mais uma aliada à saúde dos idosos, oferece uma abordagem singular do corpo humano com uma eficácia comprovada. Envelhecer saudavelmente é positivo para a sua saúde.

 

As manifestações clínicas mais relevantes do envelhecimento humano são as modificações morfológicas e fisiológicas que vão progressivamente debilitando o organismo, repercutindo-se em mudanças estruturais e funcionais do quotidiano, comprometendo muitas das vezes a realização das tarefas mais básicas e essenciais do seu dia-a-dia.

 

Uns dos desafios prementes em todo este processo é, portanto garantir o quanto possível a conservação das capacidades físico-motoras visando melhorar a qualidade de vida e o bem-estar à medida que as pessoas envelhecem.

 

De acordo com os resultados do Inquérito às Condições de Vida de 2009 do INE, 39,1% da população portuguesa com 65 a 74 anos indica algumas dificuldades nas atividades da vida diária e 19,8% dessa população tinha dificuldades sérias nessas atividades. Estes resultados colocam Portugal no 2º país da EU com as mais elevadas taxas da população idosa com limitações nas atividades da vida diária.

 

A OMS e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para um envelhecimento saudável.

 

O processo de envelhecimento provoca no organismo diversas modificações entre elas as fisiológicas, relacionadas às alterações das funções orgânicas, tais como a diminuição dos reflexos, perda de elasticidade e flexibilidade, compressão da coluna vertebral, desgaste e rigidez das cartilagens que afetam as articulações, desequilíbrios da bacia, hérnias discais, entre outras, conduzindo mais tarde ao surgimento de determinadas patologias.

 

Em contraposição ao conceito de envelhecimento normal é fundamental a promoção dos diversos cuidados primários de saúde, entre elas a medicina osteopática para garantir um envelhecimento saudável. Ninguém pode reverter os efeitos da idade, mas os osteopatas podem ajudar a melhorar o movimento, aliviando os músculos sobre tensão e promover o seu relaxamento, tudo ajudando o organismo na sua capacidade de compensar as mudanças.

 

Conforme as pessoas vão envelhecendo, mais frequentemente surjam as dores e a restrição da amplitude do movimento das articulações. Em muitos pacientes, a osteoartrite é a principal causa do inchaço das articulações, dor e rigidez e isso pode ser na maioria dos casos ajudado por tratamento osteopático. É necessário desenvolver a mobilidade e a flexibilidade normal das articulações para que as dores diminuam e o desgaste se estabilize.

 

O tratamento osteopático é suave e totalmente não-invasivo e acima de tudo cauteloso. Tem por objetivo manter o corpo saudável e prever futuras lesões. Após o exame completo, o osteopata será capaz de propor um tratamento e aconselhamento para ajudar a melhorar a mobilidade, a circulação sanguínea e a função corporal de modo a reduzir a rigidez articular para que o idoso possa desfrutar de uma vida plena e ativa.

 

Assim, as técnicas osteopáticas revelam ser um contributo por excelência para a promoção de um envelhecimento bem sucedido e que permite melhorar a qualidade de vida.

 

Os analgésicos não são a única solução para as dores associadas com o envelhecimento, a osteopatia também pode ajudar a reduzir a dor e a rigidez e portanto a dependência de medicamentos. Estudos realizados neste âmbito, revelam que o tratamento osteopático revelou-se mais eficaz ao fim de 6 sessões de tratamento de que em pacientes submetidos a ingestão de medicamentos.

 

Neste contexto, a Osteopatia pode oferecer uma mais valia, na medida que o seu objetivo é implementar a prevenção e o retardamento das degenerações osteomusculares de origem mecânica, promovendo a mobilidade articular e a eliminação das dores associadas.

1/9